18:37 19/04/2011

Conforme o tempo esboça meu presente, vou permitindo ser um pouco menos do que faço e abro espaço para o que penso, um pequeno furo entre o que minha cabeça lateja e o que escapa entre meus lábios. Isso se desenvolve  arduamente, aproximando esse pequeno furo a um rombo imensurável, como se o tempo despisse todos os valores, perdendo a leveza, o auto controle, o receio de que uma frase solta soe  como descaso ou ofensa.

Queria eu agir como os poetas descrevem seus personagens em atos de liberdade, ser um pouco menos de verdade, fingindo entender o mundo como li no melhor trecho de um livro desconhecido, mostrando-lhe meu lado psico-intelectual. Essa parte de mim, desculpe, mas eu prefiro deixa-la sob meus palavrõens e meu vocabulario abranjado.

Eu penso em tudo que posso fazer, o que não posso principalmente, mas sempre acabo fazendo o conveniente: tudo ao contrário.
À vezes em que me sinto perdendo o fio da meada, aquele que me liga a quem eu sou realmente, e me sinto certa de que sou na verdade o que penso, quando penso bem, penso para o “bem”, mas quando não é assim, aí… Sou o que faço e o que deixei de fazer.

Eu só espero o dia em que a autoconfiança tome as rédeas das mãos do medo, então a jaula que me prende em frente à personagens reais, que servem como exemplo do que um dia posso tornar-me, não vão passar de um esboço mal feito pelo tempo.

Metal Contra As Nuvens

É a verdade o que assombra
O descaso que condena,
A estupidez, o que destrói

Eu vejo tudo que se foi
E o que não existe mais
Tenho os sentidos já dormentes,
O corpo quer, a alma entende.

Esta é a terra-de-ninguém
Sei que devo resistir
Eu quero a espada em minhas mãos.

– Tudo passa, tudo passará…

E nossa história não estará pelo avesso
Assim, sem final feliz.
Teremos coisas bonitas pra contar.

E até lá, vamos viver
Temos muito ainda por fazer
Não olhe pra trás
Apenas começamos.
O mundo começa agora
Apenas começamos.

Metal Contra As Nuvens – Legião Urbana

Meu Look: Hoje fui as compras -no próximo post, conto pra vocês sobre uma de minhas virtudes: ECONOMIA- usei uma de minhas amadas regatas, essa com detalhes em renda, calça jeans cinza, e meu sapato fofinho, com um salto micro, pois sou adepta a conforto, acho lindo sapatos de salto alto, mas realmente não me sinto bem.
Os acessórios, usei só brincos e anéis.

O meu esmalte, é da risqué, Doce Orgulho.

Mais um post acompanhado de Legião Urbana, vou explicar um pouquinho do porquê:

Certas músicas, aproximam minh’alma, de certas pessoas, que minhas mãos, não podem tocar.  Como quando  eu tinha 9 anos, e para mim, Eduardo e Monica, nada mais era, do que um dos milhões de casos que meu irmão tinha. Uma composição dele. E é assim que ficamos perto, mesmo a 3 horas e meia de distância.

Eu Sei

Palavras são erros
E os erros são seus…

Não quero lembrar
Que eu erro também
Um dia pretendo
Tentar descobrir
Porque é mais forte
Quem sabe mentir
Não quero lembrar
Que eu minto também…

Eu Sei- Legião Urbana

Fotos do fim de semana que passou, pouco antes de sair para uma tarde “azul” com uma amiga.

Meu look: Para um dia quente (abafado), minha blusa leve, bege, com caveira em forma de coração; jeans preto e, nos pés usei uma sapatilha na mesma tonalidade da blusa. Eu realmente amo sapatilhas, ainda abandono outros calçados, e me rendo de vez a elas hahah

“Somos pássaro novo, longe do ninho”

Cá estou eu, nessa maresia, árdua, que prendi sob meus pés propositalmente, para absorver um pouco de auto aceitação.

Beijo queridos que teimam em me acompanhar. Obrigado por persistirem em rever minhas explicações em cada post.