Arquivo Pessoal

Resolvi abrir minhas memórias fotografias aqui no blog, com algumas das fotos que mais gosto.

Com seis mêses, dando um show na madrugada (março-1995)

Esta é minha favorita com ela
Minha mãe e eu (1995)

Bem faceira (com sete ou oito meses, 1995)

Eu e minha avó, (com cinco ou seis meses, 1995)

Minha mãe e eu(com seis meses, 1995)

Onde minha paixão por gatos começou  (com um ano,1995)

Quando ganhei meu primeiro boneco (com um ano, 1995)

Com quatro anos (1998)

As cruzeiras (1998)

Danceee ( com dois anos, 1996)

Eu e Shasha (com cinco anos 1999)

Um amor, um diário, uma história

Sempre toco nesse assunto por aqui, o amor. E me bateu uma saudade de escrever um diário.. Lembro que em um natal, devia ter meus meros 7 anos, pedi algumas coisas, e um diário. Sem nenhuma frescura, só um diário, com um cadiado, pois o diário seria meu, e escrever o que se pensa, honestamente, é pura intimidade.

… Passei o mês inteiro contando os dias pro natal, e quando chegou, acordei no meio da noite, nossa árvore ficava na sala, ( lembro até que tínhamos um tipo de luminária, que na verdade era contra mosquitos, se não me engano, que eu teimava sempre em acender ao lado da árvore, era mais colorido, bem mais bonito) corri até lá, e na menor embalagem, eu encontrei o que sonhei todo esse tempo até aquele dia tão esperado. Meu diário. Ele era rosa, e na capa, uma boneca.

Eu mal sabia escrever meu nome, mas guardava ali algumas coisas, que hoje, já nem lembro mais ..

Lembro que um dia, uma amiga abriu mesmo com o cadiado, e disse que era possível ler. Fiquei desesperada quando minha mãe derrepente se chateou comigo, teria ela lido meu diário?

Mas derrepente aquilo perdeu a graça..

E depois de muito tempo, aprendi a me expressar em poesia. E sempre me sentia tão melhor, toda vez que desabafava em versos suaves, e até bonitos aos outros. Irônico, pois eu escrevia sobre a dor.

E hoje em dia muitos meios online servem pra muitos como um diário. Besteira ! Em twitter você só escreve o que quer que saibam, já em seu diário infantil talvez, você falava mal da sua melhor amiga, tudo o que pensa.

Querido diário … Querido diário …

E logo vinham lagrimas, amores, saudades, e até maldade. Mas tudo tão saudável, as pessoas sempre causam impacte, intriga, por esse hábito maldoso de falar mau de seus conhecidos, mas um detalhe, eles não podem saber disso, e sempre acabam sabendo.

Comprem diários, é a maneira mais saudável de botar pra fora os pensamentos. E falar de amor, sem ter que ouvir as opiniões que dão a entender que você é um idiota.

Como se fosse a primeira vez

Ah esse filme, bem ultrapassado até, mas não me canso de ver ..         Fala exatamente sobre diário, amor, uma história de amor. Só que aí o diário não serve como um confidente, e sim como a própria memória, que se apaga dia após dia, e mesmo com o corpo negando qualquer lembrança pós um certo dia, o coração volta a amar todos os dias.

O brilho eterno de uma mente sem lembranças

Sou completamente apaixonada por esse filme ! É engraçado, sempre que tento explicar a história pra quem não conhece, ninguém compreende.          É bem surreal como a realidade, eu sempre tento explicado como : ” Enquanto um apagou o amor de sua mente, o outro corre em busca do recomeço ”             E é mais ou menos isso. Não fala sobre um diário de papel, mas o diário das lembranças, quase impossível de apagar da memória, mas que aí, eles tem a chance de apagar, como se rasga uma folha do diário, que você não quer mais ler.

trailer

E encerro essa postagem, explicando, que quando me refiro a amor, não falo de duas pessoas, um casal. Falo em geral, e sei, sei bem, que não é necessário amar muitos, normalmente quem assim vive, acaba tendo tão pouco.